Sobre arte e política.


Tudo que eu não gosto é ideologia!


Este é um tópico que me incomoda. Há já algum tempo, temos um segmento de artistas ligados à cultura pop que são bastante abertos com relação à sua ideologia, inclusive baseando-se nela para criar – ou no mínimo promover – toda sorte de quadrinhos, filmes, desenhos animados… Oh, mas não me entendam mal, não é isso que me incomoda, nem de longe. Na verdade, eu diria que é exatamente o contrário: eu francamente não vejo problema nenhum em um artista transmitir sua visão de mundo através da sua arte, e é o fato de que eu sinto a necessidade de dizer isso – algo que para mim é absolutamente óbvio – aquilo que realmente me incomoda.

Existe essa noção, mesmo esse discurso, de que certos segmentos do entretenimento devem ser apolíticos. Que desenhos animados para crianças, e quadrinhos de super heróis, e filmes blockbuster, tem o dever de serem politicamente neutros, pois sua função principal é a de entreter e divertir, não a de converter o consumidor a qualquer que seja a agenda política que aquela obra esteja tentando vender. E enquanto eu entendo o sentimento, eu preciso deixar bastante claro já de início que eu absolutamente discordo dele. E não apenas isso: eu consideraria essa noção como prejudicial a essas mídias e aos seus consumidores. Isso talvez não soe exatamente convincente, mas é para isto que existe o restante deste texto. Sendo assim, me ouçam (ou… leiam…) por alguns minutos.

Senta ai e presta atenção.

 

Já dizia Cazuza…

“Ideologia”, fora ser o título de uma das músicas do cantor e compositor Cazuza, é talvez uma das principais buzzwords dos tempos recentes, seu significado tendo sido consideravelmente erodido nos últimos anos.

Mas o que de fato a palavra significa? Bom, o termo tem significados diferentes a depender da corrente de pensamento que você segue, mas pessoalmente falando eu prefiro a noção de que se trata do conjunto de convicções de um indivíduo. Crenças políticas e religiosas, visões de mundo, filosofias, tudo isso eu não teria problema em classificar como “ideologias”, ao menos em algum nível. E tudo bem. O motivo pelo qual eu prefiro esta definição é justamente porque ela torna bastante óbvio o ponto que quero fazer com este segmento do texto: todo mundo tem uma ideologia.

O problema é que as pessoas não pensam nas próprias crenças e visões de mundo como sendo ideologias. Oh não: ideologia são as crenças dos outros, que cegos por ela se desviam do caminho verdadeiro e correto que eu sigo. O que é absolutamente ridículo, não só por ser a demonstração de um absoluto egocentrismo, como também porque uma coisa não exclui a outra: você pode seguir uma ideologia e esta ideologia pode estar certa (se este pensamento lhe faz sentir melhor…).

Todos temos ideais que guiam nossas ações.

Mas o que isso tem a ver com arte? Bom, porque as pessoas não percebem as próprias convicções como ideologias, elas também não percebem a expressão dessas convicções como sendo ideológicas. Se um filme, quadrinho, desenho animado, ou o que for, expressa uma visão de mundo com a qual você concorda, você está mais propenso a vê-lo como apenas comunicando o óbvio. Porém, se uma obra qualquer expressa uma visão de mundo diferente da sua, ai sim você a qualifica como ideológica. Como propagandista. Talvez, até, como perigosa.

Só que arte sempre será ideológica! Bom, pelo menos em algum nível. Como eu já disse em outros artigos, nenhuma arte é produzida num vácuo, e como tal sempre será de alguma forma um reflexo de seu momento histórico, seja replicando-o acriticamente, seja buscando mudá-lo. A própria noção de uma arte apolítica é, em si mesma, política, fruto de uma busca pela neutralidade que só poderia despontar em um momento histórico específico – e que é, ela própria, ideológica.

E isso não é um problema a ser resolvido. Primeiro porque não tem como resolver: não da pra apartar um indivíduo de suas convicções e da sua visão de mundo para só então colocá-lo para fazer arte. Mas segundo porque eu iria tão longe quanto dizer que arte abertamente ideológica é, se não realmente melhor, pelo menos mais honesta e mais interessante do que arte que busca ocultar as próprias ideias.

É tão mais interessante quando uma obra tem algo a dizer…

 

Arte é comunicação

Mais uma vez, isso é algo que eu já disse em outros artigos. Na minha visão, arte é uma forma de comunicação, muito como a fala, a escrita, e por ai vai. Obviamente que possuindo as próprias especificidades, mas em última instância toda obra ainda comunica alguma coisa. Pode ser moralista: o velho embate entre o bem e o mal, onde cada lado assume as características culturais associadas com o bem e o mal naquela cultura em específico. Podem ser angustiantes: obras que questionam o status quo, expondo seus limites e malefícios. Podem se pretender transformadoras: obras que buscam apresentar novas formas de ver o mundo, ou de coexistirmos uns com os outros.

Do mais mercadológico desenho, feito para vender bonequinhos a garotos impressionáveis, até a mais alta literatura, feita para um seleto grupo de acadêmicos em seus pedestais de marfim, na minha opinião boa arte é muito como um bom discurso. Ela entretêm, mas também engaja, e incentiva a reflexão. Porque arte é discurso, afinal de contas. E entendam: isso não significa que você tem a obrigação de concordar com o que está sendo discursado. Mas é muito mais interessante ver algo que instigue alguma reflexão do que ver algo que de tão pretensamente neutro acaba se tornando vazio. Genérico. Um compilado de lugares comuns que não ressoa com ninguém.

Mesmo histórias infantis podem conter mensagens bastante provocativas.

Quase todos os animes que eu tenho em alta estima são obras que me deram algo para refletir a respeito. Que ressoaram comigo de alguma maneira. Mesmo muitos dos animes que me incitaram as reações mais negativas, quase sempre o fizeram justamente por conta de suas mensagens, a tal ponto que eu lembro com muito mais intensidade daqueles animes para os quais eu dei nota 1 ou 2 no MyAnimeList do que daqueles para os quais eu dei um 5. Os do segundo grupo são certamente melhores, ao menos nos meus critérios, mas são também bem mais desinteressantes.

Agora, eu quero dizer com isso que toda arte tem a obrigação de ser engajada? Bom… é complicado. Para começo de conversa, depende do que você entende por “engajada”. Se estamos falando de defender um determinado partido, uma determinada corrente de pensamento, um determinado sistema político, então absolutamente não. Mas você pode incitar a reflexão e passar uma mensagem sem obrigatoriamente se encaixar em algum quadrante político. E, como eu disse, é arte assim que normalmente ressoa mais forte comigo. Ainda que com algumas notórias exceções, algumas comédias principalmente.

Mas se nem toda arte tem a obrigação de defender uma visão de mundo em particular, eu também não acho que um autor que decidir fazê-lo deve ser criticado por isso. Podemos criticar a sua visão de mundo em si, sem dúvida nenhuma, mas o simples conceito de transmitir uma determinada ideia através da arte não é algo que deveria jamais estar no banco dos réus! Bom, a menos que você seja a favor da censura, claro, e nesse caso há um pequeno punhado de ditaduras no mundo atual para as quais você talvez devesse considerar se mudar.

As melhores histórias que vi são também aquelas que mais me deram algo sobre o que refletir.

 

Esses Social Justice Warriors…

“Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor”. Esta é talvez a mais famosa citação do educador Paulo Freire, e independente do que você pense dele como pessoa, ou do que você pense da corrente de pensamento que ele seguia, eu acho que todos podemos concordar que se há um grupo que serve de perfeito exemplo desta segunda metade da frase, este seria os social justice warriors.

Quando eu me referi, no primeiro parágrafo deste texto, à “artistas ligados à cultura pop que são bastante abertos com relação à sua ideologia”, muito provavelmente o leitor pensou exatamente neste grupo. Auto-denominados progressistas cujos trabalhos artísticos muitas vezes são bastante claros em sua defesa de questões de gênero, questões de sexualidade, questões de etnia, e outras mais.

Por princípio eu não tenho absolutamente nada contra trabalhos desse tipo. Se uma história qualquer deseja explorar as dificuldades de ser mulher numa sociedade machista, ou deseja criticar o racismo, ou promover a aceitação a homossexuais e transexuais, eu não consigo ver absolutamente nada de errado nisso. É político, mesmo ideológico, sem dúvida nenhuma, mas se você leu o tópico anterior já deve ter percebido que eu não uso estes termos de forma derrogatória.

Não há problema nenhum em uma obra tratar de temas sensíveis ou de grupos socialmente minoritários.

O que não significa que você tenha a obrigação de gostar dessas obras. Sendo bastante sincero, eu não posso alegar ter um contato profundo com obras produzidas pelos chamados “justiceiros sociais”. Meus interesses estão sobretudo nos animes, e o Japão não realmente possui um equivalente aos Social Justice Warriors, ao menos não um que afete os desenhos animados e quadrinhos que o país produz. O que não significa que essa mídias sejam apolíticas, mas mais nisso depois. Voltando, meu contato com quadrinhos ocidentais é praticamente inexistente, e minha experiência com desenhos animados ocidentais é bastante limitada.

Eu faço todo esse preâmbulo para dizer que eu não tenho como realmente julgar muitas das obras que as pessoas normalmente apontam quando falam em arte produzida por Social Justice Warriors, porque eu não tive contato com essas obras. E se o desdém das pessoas para com muitas delas é fruto de machismo, racismo ou homofobia enraizados, ou se se deve tão somente ao fato de serem obras ruins, eu não sei. Mas também não tenho particular interesse em descobrir.

Vamos ser bastante sinceros aqui: a completa inaptidão desse grupo em se comunicar com a sociedade como um todo, bem como a tomada de uma postura de confronto pelo confronto, fez com que cavassem a própria cova. Não realmente ao nível de desaparecerem, mas sim ao nível de gerarem um backlash de igual intensidade. Num cenário do tipo, a simples ideia de arte produzida por esse grupo se tornou, para muitos segmentos da população, pouco interessante. Porque, argumentam esses setores, o que eles querem é o “puro” entretenimento, não “manchado” pela “agenda” progressista “desse povo”.

E não é como se não existissem animes de cunho “feminista” há décadas, né?

Como o meu linguajar até aqui talvez tenha deixado as coisas um tanto quanto ambíguas, vamos esclarecer a minha posição nesse embate entre SJWs contra Anti-SJWs: enquanto os dois lados estão se digladiando com força total, eu sou a pessoa que observa de longe dando um facepalm por minuto. E só para comentar nisso: achar que os dois lados são idiotas não significa ficar “em cima do muro”, como se eu não tivesse ainda decidido para qual lado pender. Só significa que eu acho os dois lados idiotas e prefiro não me associar com nenhum.

Tudo isso para dizer que este texto não está aqui para defender os Social Justice Warriors em si. O argumento é muito mais amplo do que um grupo em específico. Talvez tudo o que eles produzam seja ruim. Talvez o público é que não saiba lidar com arte que desafia suas visões de mundo. Eu não sei, e francamente não me importo. Até porque não é como se tivessem sido os Social Justice Warriors a inventarem o conceito de arte engajada.

Arte engajada existe desde que existe arte. Vide a sátira, presente desde a antiguidade.

 

Apolítico… desde quando?

Se eu disse antes que é impossível remover o artista de suas convicções para somente então colocá-lo para fazer arte, disso se conclui que muito do entretenimento que as pessoas apontam como sendo “só entretenimento”, sem “agenda política”, na verdade sempre passaram bem longe disso. Capitão América começou sua carreira socando nazistas, mas é uma super-heroína muçulmana que se qualifica como “empurrar uma agenda”?!

Mesmo nos animes. Já começa que praticamente todo shounen de grande sucesso desde o final dos anos 1990 seguem uma ideologia meritocrática bastante clara, expressa na mensagem de que basta insistir e se esforçar que você chegará longe. Pode ser uma mensagem com a qual você concorda, e não há nada de errado nisso, mas nem por isso ela é menos ideológica. Fora que eu ainda poderia mencionar trabalhos explicitamente mais políticos, como Ghost in The Shell: Stand Alone Complex (cuja segunda temporada trabalha, dentre outros temas, questões de imigrantes refugiados e o preconceito para com eles), Chikyuu Shoujo Arjuna [review] (que aborda uma miríade de temáticas, como ambientalismo, problemas do sistema escolar, aborto), Ginga Eiyuu Densetsu [review], Gatchaman Crowds [review]… São exemplos pontuais, é verdade, mas estão ali!

E tudo bem, eu entendo o argumento de que antigamente isso não era tão “na cara”. Que autores precisavam pensar em metáforas e alegorias cuidadosamente orquestradas para comunicar suas mensagens, ao passo que hoje em dia os autores ficaram “preguiçosos”, sendo muito mais abertos e diretos em sua abordagem. Mas enquanto eu certamente entendo a beleza de uma alegoria bem construída, as pessoas parecem esquecer que: primeiro, muitos desses autores de antigamente o faziam porque abertamente defender certas causas significaria suicídio da própria carreira; e segundo (e até mais importante), não parece ter dado muito certo.

Uma alegoria bem construída é ótima, mas a mensagem chega até você?

Quando você tem fãs de X-Man a favor da “cura gay”, ou fãs de Star Wars a favor de um governo militar, só me resta perguntar: você é contra uma abordagem “na cara” porque aprecia uma boa metáfora, ou porque só quer poder ignorar qualquer mensagem que não bata com a sua visão de mundo enquanto ainda consumindo certas obras pelo espetáculo que elas oferecem?

Não raras vezes a resposta vem justamente quando alguém aponta essa inconsistência, ao que a pessoa geralmente responde dizendo que ficção e realidade são coisas diferentes. Que certas obras são consumidas apenas apelo entretenimento, apenas pelo escapismo. O que me soa como absolutamente horrível! Porque é um pensamento que exclui de antemão a simples possibilidade de que esses seguimentos da cultura pop possam ser mais do que a arte fugaz e descerebrada que alguns a acusam de ser. Talvez não seja a intenção de quem pensa assim, mas é um argumento que joga por terra qualquer valor que essas obras possam ter para além de uma distração momentânea dos problemas da vida cotidiana. Fora que soa um desrespeito para com o autor, que se esforça para passar uma mensagem só para esta nem sequer chegar até a pessoa que consome aquela obra.

Fora que essa forma de consumo é em si mesma bastante problemática. Consumo acrítico nunca é uma coisa boa. A frase “se você não controlar a sua mente, alguém vai” já se tornou um meme internet afora, mas há um bom quinhão de verdade nela. É importante estarmos pelo menos abertos à ideia de que aquilo que consumimos pode estar tentando dizer alguma coisa, justamente para que possamos então considerar se queremos ou não engolir aquele discurso.

É importante refletir sobre aquilo que se consome.

 

Para concluir:

Arte engajada pode ser ruim? Sem dúvida nenhuma que pode! Uma obra pode ter uma boa mensagem enquanto ainda tendo personagens rasos ou um roteiro mal escrito? Absolutamente! Você tem a obrigação de gostar de uma obra porque ela defende determinado ponto de vista? De maneira nenhuma! Mas nada disso significa que certos segmentos da cultura pop devem se fechar para a simples possibilidade de abordarem temas sensíveis.

Não quer consumir uma obra porque ela defende uma posição contrário à sua em um assunto qualquer? Ta. Ok. Faça como quiser, você é livre para tanto. Mas vamos parar de falar que esta ou aquela forma de arte tem a obrigação de ser apolítica, ou de ser “só entretenimento”. Porque ela não tem. Simples assim.

Ah sim, e otakus: por favor, parem de falar que não existe feminismo no Japão. Isto é factualmente incorreto, e não me custou nem cinco segundos no Google para provar o contrário.

E você, leitor, que pensa desse assunto? Sinta-se a vontade para descer um pouco mais a página e deixar a sua – calma e centrada – opinião.

Imagens (na ordem em que aparecem):

1 – Hourou Musuko, episódio 10

2 – Shoujo Kageki Revue Starlight, episódio 1

3 – Fate/Stay Night: Unlimited Blade Works, segunda temporada, episódio 9

4 – Ginga Eiyuu Densetsu, episódio 1

5 – GeGeGe no Kitaro (2018), episódio 20

6 – Flag, episódio 13

7 – Hourou Musuko, episódio 3

8 – Shoujo Kakumei Utena, episódio 1

9 – Jinrui wa Suitai Shimashita, episódio 1

10 – Mawaru Penguindrum, episódio 20

11 – Gatchaman Crowds, episódio 1

19 comentários sobre “Sobre arte e política.

  1. Comunicação precisa (entre outras coisas) de um transmissor e um receptor. Toda arte feita para alguém, um “alguém” determinado (quem contratou a arte) ou indeterminado (feito para exibição), é comunicação. O que está de acordo com seu texto. Mas é possível a produção de arte apenas como uma válvula de escape ou algo assim. Essa arte não é comunicação.

    E a provocação: toda arte produzida por uma pessoa é necessariamente ideológica porque todos nós temos um sistema de crenças. Concordo com você. E uma arte produzida por um robô? Com os avanços recentes em inteligência artificial isso já é possível.

    Curtir

    • Se a pessoa usa da arte como uma válvula de escape, como alguém que pinta quando está estressado (por exemplo), eu diria que a arte ainda acaba comunicando alguma coisa, é só que idealmente falando ninguém fora o criador irá ver aquela arte.

      Sobre robôs, eu sei que existe toda uma discussão atual mesmo sobre o quão politicamente neutro um bot pode ser. Porque, no final das contas, ainda foi um humano quem o programou. Em todo caso, eu diria que o mais provável é que essa IA irá apenas reproduzir aquilo com o que alimentarem ela. Robôs não tem criatividade, não são capazes de pensar em cenários que não tenham visto antes. Então eu diria que o resultado seria uma arte que reflete as preferências do criador do robô, ou talvez “espírito de época” de um contexto social específico, ou qualquer coisa do tipo.

      Curtir

      • A definição sobre o que é “comunicação” pode ir muito longe também, mas fiquemos por aqui, entendo seu ponto e ele é defensável =D

        Quanto a robôs, certamente podem ser programados de acordo com a vontade de seu criador. Mas hoje temos essa divertida rede mundial de comunicação e fluxo de conhecimento, e robôs podem usá-la para aprender também. Inclusive é mais barato do que ocupar o tempo dos desenvolvedores com o treinamento.

        Casos abundam de robôs que passaram exibir ideologias diferentes das de seus criadores – você sempre encontra uma nova notícia sobre um bot que se tornou nazista após interagir com trolls online, ou boca suja e hiperssexualizado após interagir com trolls brasileiros.

        Curtir

  2. Ótimo texto. A única coisa que não gosto quanto a esse tema é quando algo é imposto a força, ou financiada com dinheiro publico, tirando isso a pluralidade de idéias é ótima. Quando uma obra é bem feita ela é capaz de trazer empatia até mesmo alguém que não tenha noção sobre certa condição de outra pessoa. Hourou Musuko é maravilhoso, até mesmo um conservador como eu fiquei emocionado com aquele primeiro episodio, e é isso que acho que deveria ser feito por pessoas que querem tratar desses assuntos, sem demonizar o outro lado como acontece com as obras de hollywood, ou simplesmente arruinando obras como fizeram com Star Wars The Last Jedi. É preciso haver respeito com os dois lados, todos querem um mundo melhor…e que alivio que você nao fez como o canal Meteoro do youtube.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Muita coisa sem a parte politica seria Zzzzzzzz…
    Os Magi Legend of Galactic Heroes se existissem sem o fundo ideologico ou politico seriam no mais mediocres.
    Aliás acho que a pluralidade de ideologias no entretenimento é tão grande que no final das contas a propaganda delas não coloniza a mente de maneira tão efetiva que esse pessoal que fica paranoico com obras politicas e doutrinação pela arte. Ela existe, mas pra cada obra com uma determinada ideologia, tem outra pregando uma ideologia oposta.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Uma obra pode alcançar uma neutralidade política se em si mesma tratar de diversos pontos de vistas antagônicos, formando uma polifonia. O mal está em tratar assimetricamente de um, isto é, enfatizar uma visão em detrimento da outra. Muitas obras falham nesse quesito, e frequentemente são justamente as que trazem os dois lados da moeda e, em vez de responderem algo, fazem mais perguntas que soluções, que são tidas como as reflexivas, complexas, profundas, no qual galgam o estado de “Arte”. É raro esse tipo de obra, e não raro é difícil definir qual a posição política de seus autores. Mas é no mínimo digno de admiração esses caras que conseguem se empatizar com todos os lados e mostrar o ponto de vista de cada um de maneira que a divisão entre certo ou errado, bem e mal, se dilui todinha.

    Porém, talvez sejam eles mesmos adeptos do relativismo…

    Curtir

    • Para questões complexas, não resolvidas, faz sentido apresentar vários pontos de vista. Para questões cuja resposta é óbvia, não. O artista pode explorar o que leva alguém a defender algo objetivamente errado, mas a obra ainda assim vai apontar em uma só direção clara: o ponto de vista que o artista considera correto.

      Insistir em equiparar pontos de vista divergentes e irreconciliáveis nesses casos é que seria a própria definição de relativismo.

      De todo modo, evito falar em arte feita do jeito “certo” ou do jeito “errado”, bem como evito em falar que exista algum “mal” (ou, por conclusão, que possa existir um “bem”) inerente na forma como uma obra de arte possa ser feita. Não estou dizendo que nunca há de ser o caso de, ideologicamente, uma obra de arte ser intrinsecamente “maligna” ou “benigna” (ou neutra, seja por se abster de se posicionar, seja por relativizar e retratar igualmente mais de um posicionamento), mas creio ser isso a exceção, não a regra. Por exemplo: arte manifestamente racista (e contemporânea; dou uma folga para artistas de eras passadas nas quais o racismo era a norma, para simplificar o debate – mas pode haver debate nesse sentido também!).

      Curtir

      • Invariavelmente chegaremos na discussão de um “ideal” artístico. Eu não queria argumentar desta maneira, mas essa questão exige um esforço de honestidade: você é artista? Ou trata alguma atividade em que tenta atingir um ideal próprio daquilo que poderia chamar de arte? Eu escrevo. Não sou um artista num sentido tradicional, e tampouco como gostaria de sê-lo, mas tenho meu ideal de arte que tento atingir, obviamente subjetivo, mas que outros como Tchekhov também adotaram e foram crucificados por isso. Trata-se de tentar fazer uma obra objetiva, imparcial ideologicamente falando — a mera representação das coisas naquilo que tange o meu escopo imaginativo. Creio que se você faz arte, não pode simplesmente impor o que acha certo através dessa comunicação, pois o que acha certo nunca é certo de fato. O que sobra no fim, como tu mesmo o dizes, são os pontos de vistas, mas pouco importa se são eles corretos ou errados. São só pontos de vistas diferentes sobre o mesmo assunto. Haverá aqueles que se dizem mais esclarecidos que outros sobre a realidade, e que portanto certas visões estão inerentemente erradas, porém, o que garante que umas sejam as “corretas” e outras não? O que é ser objetivo num mundo que até hoje a filosofia não descobriu o que é o real?

        A questão do real é o que me motiva como artista. Sei que eu mesmo não posso ser objetivo, mas posso tentar representar as várias subjetividades de outrem até mesmo num exercício de com isso alcançar alguma objetividade.

        Curtir

        • Não sou artista ☺

          Acredito que arte seja uma forma específica de comunicação. Uma na qual a mensagem em si é importante, tal qual ela é. Qual a diferença entre um simples discurso e a declamação de um poema? Qual a diferença entre uma foto de recordação e uma foto artística? A forma importa. É a intenção da arte que a forma específica assumida pela mensagem seja apreciada, não apenas o significado da mensagem.

          E, veja bem, isso não tem nada a ver com ideologia. Porque a ideologia, se expressa, se encontra no significado – nem que seja na forma como significado. Eu sei que é mais fácil dizer que arte é o que os artistas pensam que é arte, mas vejo vantagem na minha definição. A um só tempo ela captura algo inerente à arte (a intencionalidade da forma) e não exclui nenhum artista.

          Mas se você quiser continuar dizendo pros outros se o que eles fazem é ou não é arte, vá em frente.

          Curtir

  5. O propósito deve ser questionado, não? Por exemplo, o trecho dessa música(rap) “” Vou ter que citar Rousseau a injustiça começou quando o primeiro a se achar dono de uma terra a demarcou “” É uma ideia nada palpável, só uma intervenção divina pra isso ocorrer no nosso atual contexto histórico. Entendo que se for como ponta de argumento para defender menos desigualdades é válido, mas o restante do verso é idealismo. Em contrapartida o propósito de Hourou Musuko é palpável.
    O que acha? Estou errado?

    Curtir

  6. Não entendi bem a que tipo de obras você se refere quando diz que, por serem elas extremamente neutras, tornam-se um “compilado de lugares comuns”. Poderia citar-me alguns exemplos e explicar o motivo pela qual os classifica assim?

    Pelo que entendi deste texto, obras de arte podem ser apolíticas, mas não “a-ideológicas”. Estou correto?

    Outra coisa, você acha que é possível haverem ideologias acidentais em narrativas? Por exemplo, ideologias que, por necessitarem respeitar a coerência interna da obra, são geradas, sem a vontade do autor, pelo diálogo das idéias presentes na obra.

    Curtir

    • Sobre a primeira pergunta, eu não realmente tinha nenhuma obra em específico quando escrevi esse trecho, e estava pensando mais em obras “genéricas” num geral, animes e mangás (e light novels) que mais parecem um amontoado de clichês mal executados, sem qualquer identidade própria. Como grande parte dos isekais modernos.

      Sobre a segunda pergunta, eu diria mais que elas podem ser a-partidárias. A-políticas é um pouco mais complicado por conta de toda uma questão de o que é política, para algumas pessoas ela sendo circunscrita às disputas entre partidos, e para outras pessoas ela sendo literalmente tudo. Então acho mais fácil especificar como a-partidárias rs

      E sobre a pergunta final: absolutamente sim. Especialmente quando um autor não sabe o que está fazendo. Charlotte é um grande exemplo, que de tão mal construído acaba tendo uma narrativa anti-minorias. Não porque quem trabalhou no anime é um racista ou coisa do tipo, mas simplesmente porque ninguém parou para pensar nas implicações daquilo que estava sendo passado.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s