Uma Rápida Review – Redline

Review originalmente publicada na página do blog no facebook, em 13/02/2017

Redline é um filme que eu já tinha algum interesse em ver já tem um tempo, mas nunca realmente me importei de ir checar. Isso por conta de muito do que eu ouvia sobre a obra: a de que era espetacular visualmente, mas mediana pra baixo em praticamente todos os outros quesitos. O que… ééééé, tem lá seu grau de verdade.

O roteiro não é nada novo, sendo a sua típica história do esporte tomado pelos “poderosos” que manipulam os resultados, um protagonista metido nisso até o pescoço, mas que mesmo assim quer satisfazer a própria vontade de vencer e… É, basicamente a mesma história que você com certeza já viu antes e que sabe muito bem como acaba.

Continuar lendo

Uma Rápida Review – Tokyo Godfathers

Review originalmente publicada na página do blog no facebook, em 05/02/2017

Sinceramente, eu não estava muito animado com isso, e quem sabe das minhas opiniões sobre as demais obras do Kon deve bem saber porque. Mas, enquete é enquete, então eu decidi assistir ao filme, cuja sinopse seria basicamente a de 3 sem-tetos encontrando uma bebê abandonada no lixo e decidindo partir em busca dos pais dela. E… é, meio que você recebe exatamente o que a premissa propõe.

Não tem realmente muito o que falar aqui. É uma história tipicamente “character driven”, onde o foco está no desenvolvimento dos personagens e resolução de seus conflitos, com cada um dos três protagonistas eventualmente confrontando os motivos que os levaram a estarem nas ruas. O que é bem feito, não entendam mal. É um BOM filme, gostosinho pra passar o tempo, pra ver com a família e por ai vai. Não a toa ele é muito citado em qualquer lista de animes para se assistir no natal.

Continuar lendo

Uma Rápida Review – Piano no Mori

A história de Piano no Mori começa quando Amamiya Shuuhei se muda junto de sua mãe para o interior, a fim de morarem por algum tempo com sua avó materna. Vindo de uma família de pianistas, o garoto sonha em se tornar um ele próprio, e uma vez na sua nova escola ele fica sabendo sobre um misterioso piano quebrado abandonado no âmago da floresta próxima à cidade. Ichinose Kai, porém, lhe assegura: o piano ainda toca.

O que se segue a partir daqui é a história da amizade que se desenvolve entre Shuuhei e Kai, bem como a história de duas diferentes perspectivas quanto ao tocar: para Amamiya, o piano é seu “inimigo”, e praticar é tão somente o seu dever como filho de seu pai; já para Ichinose, o tocar do piano é nada mais que um hobby, um divertimento que o afasta de seus problemas como filho de uma mãe solteira pobre.

Continuar lendo