Roland Kelts – Japanamerica

Uma característica curiosa de Japanamerica: How Japanese Pop Culture Has Invaded the US, é que o livro lê muito como um documentário. Lançado em 2006 por Roland Kelts, já na introdução o autor explica como as principais fontes de seu livro foram as entrevistas que ele realizou entre 2003 e 2006, tendo falando desde com amigos próximos – tanto nos Estados Unidos como no Japão – até representantes e diretores de alguns dos mais importantes estúdios da indústria dos animes, fora toda sorte de indivíduos “no meio”: acadêmicos, editores, empreendedores, e a lista segue. Mas enquanto o grosso da publicação dá voz a estas diferentes pessoas, é o argumento central de Kelts que as conecta de uma forma coesa: a ideia de que o Japão, ou mais precisamente facetas da cultura japonesa, estaria agora invadindo os Estados Unidos, seja na forma de um sushi bar em cada esquina, seja na forma do anime e mangá.  Porquê, e ainda mais importante, porque agora, é a pergunta que o autor tenta responder ao longo do livro, destrinchando aqui a complexa relação que existe entre Japão e Estados Unidos – nos mais diversos níveis possíveis.

Como de costume nesse tipo de artigo, é importante frisar aqui que não é minha intenção fazer uma resenha ou análise crítica do livro, mas sim apenas resumi-lo de forma a retraçar a lógica e a argumentação de seu autor: um pequeno esforço de trazer essas discussões para um público um pouco mais amplo. É preciso adicionar, porém, um segundo aviso: que não cometamos anacronismos ao ler estes argumentos. O livro é de 2006, e 11 anos separam a nós de sua publicação: obviamente muito mudou no cenário do anime e mangá nesse meio tempo. Nesse sentido, o livro talvez seja melhor compreendido como um espelho de seu tempo, menos do que como uma teoria atemporal ou preditiva. Finalmente, qualquer interessado em adquirir uma cópia deste livro pode fazê-lo pela Amazon. Além dessa opção, uma prévia do livro também pode ser visualizada pelo Google Books, embora obviamente com páginas faltando. E terminados os avisos, vamos então ao resumo.

Continuar lendo