Review – Chikyuu Shoujo Arjuna (Anime)

Arjuna // Review 03/09/2015 // 1
Chikyuu Shoujo Arjuna

Como está escrito no subtítulo deste blog, “nenhuma história é ingênua”. Quando eu digo isso, eu digo no sentido de que raramente podemos considerar a ideia de uma obra como fim em si mesma. Praticamente toda obra nos passa algum tipo de mensagem, quer seu autor esteja ciente disso ou não. As vezes é algo tão simples quanto valores morais (amizade, perseverança, honestidade, etc.), ao passo que outras é tão objetivo quanto um incentivo à compra de produtos licenciados. Mas enquanto eu realmente acredito que praticamente toda obra nos passa algum tipo de mensagem, no campo dos animes é difícil vermos obras que poderíamos chamar de “engajadas”. Seja em questões sociais, questões políticas, econômicas, etc., não é exatamente comum vermos obras que se foquem em levantar uma bandeira, seja ela qual for. Mas acontece. Como toda forma de arte, mesmo os animes tem o pequeno punhado de obras claramente comprometidas com uma causa. Criado por Shoji Kawamori e produzido pelo estúdio Satelight, o anime de 13 episódios “Chikyuu Shoujo Arjuna“, lançado em 2001, é definitivamente um destes casos.

A história começa quando nossa protagonista, Juna, morre em um acidente de moto. Conforme seu espírito flutua até que vê a Terra do espaço, ela ouve a voz de um garoto. Seu nome era Chris, e ele faz uma oferta a Juna: lhe devolveria a vida, se em troca ela concordasse em salvar a Terra. Aceitando, Juna então se torna a Avatar do Tempo, que tem como missão enfrentar as Raajas, monstros que vem causando destruição pelo mundo. Mas não deixe que esta sinopse o engane. Enquanto aparentemente apenas mais um mahou shoujo levemente mais sério, “Arjuna” é, em fato, uma obra verdadeiramente ambientalista. Com uma estrutura que beira o episódico, a série critica, de forma bastante ácida e chocante, diversos elementos da sociedade moderna, tais como os métodos agrícolas, a pecuária intensiva, e a dependência humana do petróleo. Se você ainda não assistiu o anime, certamente vale a pena conferir. Mesmo que seja uma obra claramente enviesada (o que não é ruim por si só, diga-se de passagem), ela traz boas reflexões que mesmo hoje ainda soam bastante atuais. Infelizmente, é preciso apontar que algumas posições que o anime toma são… “problemáticas”, para dizer o mínimo, mas dizer mais do que isso vai exigir alguns spoilers, então fiquem avisados. E isso dito, vamos então à review.

Continuar lendo