[Vídeo] Uma Breve Indicação – Mawaru Penguindrum

Mais novo vídeo do canal: uma rápida recomendação do anime Mawaru Penguindrum. Se você ainda não conhece o anime, venha dar uma olhada, e já aproveite também pra se inscrever no canal, caso ainda não o tenha feito. E se por acaso você já viu Mawaru Penguindrum, que tal dar uma lida na review dele aqui no blog?

[Vídeo] Uma Breve Análise – Baccano

Segundo vídeo do canal, desta vez adaptando o texto da análise de Baccano, lançado aqui no Blog como o primeiro artigo do quadro “Uma Breve Análise”. Confiram o vídeo, deem a sua opinião, e se inscrevam no canal se ainda não o fizeram o/

Uma Breve Análise – Baccano: As Várias Facetas de uma História

Baccano // Análise 26/06/2016 1
Baccano

(Esta análise foi originalmente publicada na página do blog no facebook)

No começo de Baccano, anime de 2007 do estúdio Brain’s Base, e baseado em uma série de light novels de mesmo nome, nós temos uma cena que, na minha opinião, perfeitamente resume qual é o ponto de todo o anime.

A cena em questão é a primeira do primeiro episódio, e começa com a garotinha Carol, conforme ela olha uma série de livros e documentos. Um homem então entra na sala, e nós descobrimos que ambos, ele e a garota, trabalham para o jornal Daily Days, ele como Vice-Diretor e a menina como sua assistente.

Quando perguntada sobre o que está fazendo, Carol diz que estava pensando sobre a série de eventos que teve início em 1930, ao que seu superior pergunta por que ela acha que os eventos tiveram início naquele ponto. Agora, eu não vou descrever aqui toda a cena, e fortemente recomendo a qualquer um que assista este anime, mas eu quero comentar brevemente a fala final do Vice-Diretor do Daily Days, que encerra a conversa: a ideia de que em um evento existem tantas histórias quanto o número de pessoas envolvidas nele.

Continuar lendo

Review – Mawaru Penguindrum (Anime)

Mawaru Penguindrum // Review 10/06/2016 1
Mawaru Penguindrum

O que você acha da palavra “destino”? Alguns a odeiam: se nossas vidas já estão pré-determinadas desde o momento em que nascemos, então qual o ponto em viver, afinal? Já outros a amam: encontros fortuitos que se convertem em amizade e amor, o que é isto se não o destino? Finalmente, existem também aqueles que sentem que essa palavras lhe trás algum conforto: se tudo ocorre por uma razão, então mesmo a dor e o sofrimento não são sem significado, não é? Takakura Himari já não tem muito tempo de vida. E num passeio com seus irmãos, Shouma e Kanba, ela morre. Porém, uma força misteriosa, vinda do outro lado do destino e falando através de um chapéu de pinguim, decide estender a vida da menina. Mas isso tem um preço: os irmãos devem agora encontrar ao penguindrum, ou a vida será mais uma vez tomada de Himari. Assim começa Mawaru Penguindrum, uma produção original do estúdio Brain’s Base, de 2011, com 24 episódios e dirigido por Kunihiko Ikura.

Dizer que este anime é uma experiência única ainda não transmitiria o que de fato é esta obra. Sob uma aparência inocente, com cores vibrantes e personagens bonitinhos, Mawaru Penguindrum explora ideias e conceitos bastante provocativos, mesmo traumáticos, dentre os quais a ideia de destino, o abandono infantil, e mesmo o terrorismo, tudo sob uma névoa de simbolismo e alegoria que o tornam talvez uma das obras mais complexas da animação japonesa. E claro, a história segue o mesmo caminho: “intrincada” é o mínimo que se pode dizer da mesma, contada de tal forma que nada nunca é o que parece, como que rimando, narrativamente, com o simbolismo visual do anime. É um anime que exige atenção do espectador, e muita. Isso dito, é uma obra fenomenal, mesmo que provavelmente não seja para todos. Mas dada essa introdução, spoilers a partir deste ponto. Se ainda não assistiu o anime, fica aqui a minha recomendação. E se já viu, ou se não se importa com spoilers, espero que tenha uma boa leitura. E vamos à review.

Continuar lendo

Review – Baccano! (Anime)

Baccano // Review 05/03/2015 // 1
Baccano!

Mais frequentemente do que seria de se esperar, alguns animes parecem cair numa estranha categoria de “muito bem recebido, mas bem pouco popular”. Baccano!, produção do estúdio Brain’s Base e baseado na série homônima de ligth novels de Ryogo Narita, é um excelente exemplo. É bastante raro vermos afirmações contra a série, que foi ao ar nas televisões japonesas em 2007, contando com 13 episódios televisionados e mais 3 OVAs incluídos na versão em DVD. Em fato, quase todos aqueles que viram o anime parecem colocá-lo em algum lugar entre “mediananamente bom” e “groundbreaking masterpiece“. Ainda assim, este ainda é um anime relativamente desconhecido, pelo menos entre aqueles que não se aprofundaram ainda tanto no meio otaku. Talvez seja por conta de sua idade ou por ele não ter tido exatamente um imenso impacto no ano em que saiu, mas independente do motivo me parece que este anime merece um pouco mais de atenção do que ele vem recebendo. Então, façamos exatamente isso e observemos um pouco mais esta excelente obra da animação japonesa /o/

Mas antes de mais nada, façamos aqui uma rápida sinopse da série. Num geral, Baccano! se passa majoritariamente nos Estados Unidos do começo da década de 1930, com três diferentes histórias ocorrendo em três diferentes anos. Em 1930 temos uma briga de gangues envolvendo alquimistas imortais. Em 1931, o expresso transcontinental Flying Pussyfoot deixa a plataforma com uma previsão dizendo que quem terminasse a viagem ou era sortudo ou não era humano. E em 1932 temos um jornal tentando organizar a fantástica história de uma série de eventos misteriosos que vêm ocorrendo desde o século XVIII. Tudo isso permeado com uma enorme gama de personagens, brigas de gangues, ação, comédia, mistério e mesmo um pouco de romance. Uma história sem protagonista, contada de forma não-linear, na qual os destinos das personagens se cruzam no tempo e no espaço, esta é a melhor forma que eu consigo pensar para definir esta série. E eu já digo: na minha opinião, vale muito a pena assistir. Isso dito, a partir daqui a postagem pode conter alguns spoilers, então prossigam por sua conta e risco.

Continuar lendo