Antiguidades – Namakura Gatana e o 100º Aniversário da Animação Japonesa

Namakura Gatana

Em 2017 os animes completam 100 anos de existência, ou ao menos é o que nos diz o site Japanese Animated Film Classics. O site foi criado pelo Centro Nacional de Cinema, do Museu Nacional de Arte Moderna de Tóquio, em comemoração a essa data. O propósito do mesmo é o de streaming de filmes clássicos da animação japonesa, sobretudo aqueles produzidos entre as décadas de 1920 e 1940, e segundo notícia do Anime News Network o site deve ficar no ar apenas até o final deste ano.

A data obviamente não foi escolhida ao acaso: 1917 foi certamente um ano seminal para os animes. Enquanto Katsudo Shashin demonstra que experimentos com a mídia já ocorriam há um tempo, 1917 foi o ano em que a animação japonesa efetivamente chegou ao cinemas, e isso graças ao trabalho pioneiro de três indivíduos que viriam a ser conhecidos como os “pais” do anime: Shimokawa Oten, Kitayama Seitaro e Kouchi Jun’ichi. Infelizmente, porém, quase tudo dessa época se perdeu.

Muito do que sabemos sobre os anos iniciais da animação japonesa vem de fontes secundárias. No melhor dos casos encontramos notícias da época anunciando a exibição de um ou outro filme, ao passo que em situações menos favoráveis só podemos contar com os relatos daqueles envolvidos na produção dos filmes, relatos estes muitas vezes dados décadas após o lançamento efetivo dessas animações. Há, porém, duas exceções notáveis, uma das quais sendo o primeiro filme de Kouchi Jun’ichi, Namakura Gatana.

Continuar lendo

Anúncios

Antiguidades – Katsudou Shashin: Os Primórdios da Animação Japonesa

Katsudou Shashin

Quando começa a história da animação japonesa? Qual foi, afinal, o primeiro anime? Essa é uma pergunta que muitos fãs da mídia já devem ter se feito, mas infelizmente ela também é uma sempre em aberto. Durante muito tempo acreditou-se que as primeiras animações japonesas datavam do comecinho de 1917, quando temos os primeiros desenhos animados japoneses feitos para o cinema. Em 2005, porém, um curta de apenas três segundos jogou as origens do anime para algum tempo antes, e a história da animação japonesa ganhou aqui um novo capítulo – ou, talvez seja mais apropriado dizer, um novo prefácio.

O curta em questão foi encontrado por Matsumoto Natsuki, especialista em iconografia da Universidade de Artes de Osaka, motivo pelo qual o curta é algumas vezes chamado de fragmento de Matsumoto (embora seja uma obra completa, não um fragmento). Apesar de encontrá-lo em janeiro de 2005, foi apenas em agosto daquele ano que notícias sobre “o anime mais antigo da história” começaram a circular pelo mundo. O jornal Asahi Shimbun fez uma matéria sobre o curta em 1º de Agosto, e no dia 7 foi a vez do site Anime News Network publicar a respeito dele. E desde essas primeiras divulgações a antiguidade do curta já estava evidente, com ele sendo colocado como provavelmente do final da era Meiji, que se encerrou em 1912.

Continuar lendo