5 Valiosas Lições que Alguns Animes Podem nos Ensinar


O que aprendi com animes.


Em maio desse ano eu fiz uma lista de 5 péssimas lições que os animes nos ensinam, desconstruindo um pouco algumas das mensagens mais comuns que encontramos nessa mídia. Pois bem: sinto que uma lista espelho àquela seria no mínimo interessante. Então aqui estamos, com cinco boas lições que alguns animes nos passam.

Eu digo “alguns” pois esta lista é bem mais específica do que a anterior. As mensagens aqui estão atreladas a títulos em específico, ao invés de as encontrarmos aos montes na mídia. O que de certa forma faz esta lista posar também como uma de recomendação de cinco animes, todos os quais eu tenho em alta estima.

Como sempre, eu deixo o aviso de que isto é uma lista, não um top, então não pensem que um determinado título ou mensagem é melhor ou pior por estar mais para cima ou mais para baixo da lista. A ordem pouco importa: o importante são os animes e o que eles tem a dizer. E com isto, vamos à lista!

 

5. Não desista antes mesmo de tentar – Hunter x Hunter (2011)

A quinta entrada nessa lista é também uma pequena trapaça de minha parte, já que aqui eu quero discutir menos a mensagem de uma série como um todo, e mais aquela de uma cena bastante específica. No caso, uma breve discussão entre a personagem Bisky e o personagem Killua conforme o anime entra no que seria o segundo terço de seu arco Formigas Quiméricas.

Nesse ponto, Killua está bastante afetado com a ideia de, para evitar dar maiores spoilers aqui, ter de lutar contra alguém que ele sabe ser muito mais forte. Ao que Bisky responde que é um estranho hábito do personagem assumir que seu adversário estará sempre em seu melhor, acrescentando ainda que, dadas as condições corretas, mesmo alguém mais fraco pode vencer alguém mais forte.

É uma mensagem bastante típica de qualquer battle shounen, mas como é típico da obra Hunter x Hunter a explica de uma forma que torna a sua abordagem bem mais única. E enquanto aqui estamos no contexto de lutas de vida ou morte, o conselho em si é aplicável a diversas facetas da vida cotidiana, de competições esportivas, passando por cenários como vestibulares e concursos públicos, até uma simples jogatina entre amigos.

Não raras vezes podemos ter a sensação de que as chances estão contra nós, e que todo mundo ao nosso redor está melhor preparado, mas falhamos em levar em conta que talvez todo mundo ao nosso redor esteja pensando a exata mesma coisa. Então sempre que a situação parecer completamente perdida, lembre-se dessa garotinha com mais músculos do que você jamais terá na vida dizendo que sempre vale a pena tentar.

 

4. A vida nos leva por caminhos estranhos: e tudo bem – Sakura Quest

Quando Sakura Quest começa, nossa protagonista, Yoshino, está determinada a viver na cidade grande, rejeitando com veemência sua antiga vida no interior. Ela também está desempregada e progressivamente mais e mais desesperada, então quando uma oportunidade de trabalho temporário em uma cidade interiorana lhe bate à porta, ela não vê muita escolha a não ser aceitar.

Quando eu escrevi aquela lista de péssimas lições que os animes nos ensinam, uma das entradas foi justamente sobre como algumas obras apresentam um verdadeiro culto à persistência, onde o protagonista está tão determinado a seguir um certo caminho em sua vida que beira mesmo a teimosia. E enquanto persistência é certamente uma virtude, às vezes é importante parar um pouco para reconsiderar algumas coisas.

Ao longo de Sakura Quest, Yoshino aprende a valorizar a vida no interior, bem como a melhor compreender e interagir com as pessoas daquela cidadezinha. Mas subjacente a essa lição, está outra talvez até mais importante: a de que o caminho que ela tinha tanta certeza de que deveria seguir, a vida na cidade grande, talvez não fosse realmente o melhor para ela.

São raros os animes que eu chamaria de genuinamente adultos – isto é, que lidam com problemas e dilemas comuns da vida adulta, ao invés de apenas apostar no grotesco e no sexual para ganhar uma classificação indicativa de +18 – e Sakura Quest é certamente um destes poucos. Sua mensagem provavelmente não irá ressoar tão fortemente com aqueles mais jovens, mas ainda é uma bastante digna de reflexão.

 

3. Muito cuidado com o Efeito Manada – Gatchaman Crowds Insight

É difícil resumir Gatchaman Crowds em poucas palavras. Uma reimaginação de um anime dos anos 1970. Uma celebração, mas também uma desconstrução, do gênero “super herói”. Simples, mesmo simplória, num primeiro olhar, mas que rapidamente se revela bastante provocativa. E essencialmente otimista. É um título do qual é possível tirar uma longa série de reflexões, algo que não vemos lá com muita frequência nessa mídia.

Gatchaman Crowds Insight vem como a segunda temporada da franquia, e enquanto ela apresenta uma série de problemas que tiram bastante da experiência, sua capacidade de incitar a reflexão segue tão afiada quanto a da sua predecessora. E se na primeira temporada os Gatchaman enfrentam um inimigo que é a encarnação do caos e da desordem, aqui eles enfrentam um que vem como a encarnação da atmosfera.

Não, não me refiro aqui ao ar que respiramos, mas sim a algo bem mais imaterial. Ao, digamos assim, zeitgeist, o espírito da época, o consenso não dito tão comum a qualquer agrupamento humano. O Efeito Manada: a capacidade humana de seguir acriticamente o “bando”, acompanhando seus pares pelo medo do ostracismo ou pela simples inércia frente o consenso. “Em Roma, faça como os romanos”: é dessa atmosfera que eu falo.

Gatchaman Crowds Insight vem demonstrar o perigo de tal atitude, conforme o consenso se torna ditatorial, eliminando dissidentes com total apoio dos demais. Afinal, é culpa deles por perturbar a atmosfera! Uma cutucada forte na cultura japonesa, tão coletivista, mas também uma mensagem importante para qualquer indivíduo: pense por si mesmo, e nunca deixe a pressão do seu entorno determinar as suas ideias e atitudes.

 

2. A política é feita por pessoas – Ginga Eiyuu Densetsu

Em Ginga Eiyuu Densetsu – ou Legend of The Galactic Heroes, como o título é mais conhecido no ocidente – a galáxia foi dividida entre duas forças antagônicas: o monárquico Império Galáctico e a democrática Aliança dos Planetas Livres. Imersos em uma guerra centenária, na história acompanhamos dois protagonistas, cada qual de um lado desse conflito: Reinhard von Lohengramm e Yang Wen-Li, respectivamente.

O que torna Ginga Eiyuu Densetsu diferente de outros títulos com premissas similares é o seu comprometimento a não escolher um lado. E no conflito entre ditadura e democracia, podemos ver o melhor e o pior de cada forma de governo. Sim, a democracia dá poder ao povo, mas que valor tem isso quando o povo elege um corrupto egocêntrico? E sim, a ditadura é tirânica, mas e quando o tirano está comprometido e fazer o melhor pelo povo?

Uma crítica que poderia ser feita à forma como o anime encara a política é que ele a apresenta como excessivamente personalista: o cenário mudando através dos grandes feitos de grandes homens. Mas enquanto eu não discordaria de uma colocação do tipo, eu sinto que subjacente a isso está uma outra realização: a de que mais importante do que um sistema de governo são as pessoas que de fato governam.

Não importa o lado do debate que você escolha, se um incompetente assumir o poder você pode ter certeza de que haverá problemas, conforme a história daquele universo nos prova de novo e de novo. Não existe um sistema de governo perfeito, pois no final eles ainda são criados e exercidos por pessoas: e ninguém é incorruptível. Um lembrete mais que necessário em um momento de crescente polarização política.

 

1. Aprecie as pequenas coisas – Aria

No distante futuro, a humanidade conseguiu terraformar Marte, transformado num planeta azul rebatizado como Aqua. Aqui temos a cidade de Neo Venezia, à qual chega Akari, determinada a se tornar uma undine: uma gondoleira profissional. Um bonito slice of life, cujas três temporadas (Aria the AnimationAria the NaturalAria the Origination) trazem uma importante lição sobre apreciar o mundo ao seu redor.

Ao longo do anime, Akari demonstra verdadeiro amor pela cidade de Neo Venezia e as pessoas que ali habitam. Enquanto guia turística ela é certamente capaz de nos mostrar os grandes centros turísticos da cidade, mas também de nos mostrar cenas bem mais intimistas. Um jardim privado numa viela estreita. Uma praça espelhada no chão pela água da chuva. Momentos tão fugazes quanto belos.

Iyashikei é o nome que se dá a obras que possuem como propósito curar o seu espectador, emocionalmente falando. E uma das marcas do gênero é justamente o sentimento de mono no aware: uma mescla de nostalgia e melancolia que, percebendo a impermanência das coisas, as valoriza justamente por serem passageiras. E sendo talvez o maior expoente do gênero nos animes, Aria é uma série que entende e demonstra isso muito bem.

Na correria do dia a dia, às vezes nos esquecemos de olhar ao nosso redor. Imersos em nossa própria rotina, os dias passam sem nos darmos conta. A mensagem de Aria é um pedido para desacelerar. Para parar por um momento e olhar ao seu entorno, percebendo a beleza que se esconde no ordinário. Talvez não possamos mudar o mundo, mas podemos ao menos mudar nossa forma de encará-lo.

E você, leitor, tem algo a acrescentar? Sinta-se a vontade para descer um pouco mais a página e deixar um comentário com a sua opinião.

Imagens (na ordem em que aparecem):

1 – Hunter x Hunter (2011), episódio 89

2 – Hunter x Hunter (2011), episódio 89

3 – Hunter x Hunter (2011), episódio 89

4 – Sakura Quest, episódio 1

5 – Sakura Quest, episódio 25

6 – Gatchaman Crowds Insight, episódio 1

7 – Gatchaman Crowds Insight, episódio 12

8 – Ginga Eiyuu Densetsu, episódio 1

9 – Ginga Eiyuu Densetsu, episódio 1

10 – Aria the Animation, episódio 1

11 – Aria the Animation, episódio 2

Um comentário sobre “5 Valiosas Lições que Alguns Animes Podem nos Ensinar

  1. Parabéns pelo post, conheci a pouco seu blog e o canal do youtube e gostei bastante do conteúdo que você faz e das suas recomendações.
    Tenho vontade de assistir ao Ginga Eiyuu Densetsu, mas o tamanho me desanima. Quem sabe um dia eu tome coragem, espero que continue com o trabalho.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s