Comentários Semanais – SAO 3; JoJo Parte 5; Tensei Shitara Slime; e muito mais.


O que assisti essa semana.


E começa aqui o mais novo quadro semanal do blog \o/ Ok, acho que isso pede algumas explicações, né?

Vamos lá: há alguns dias, eu lancei no meu Twitter a sugestão de um quadro onde eu falaria sobre os animes da temporada. Nada inovador, mas é um conteúdo que as pessoas parecem gostar, e para todos os efeitos a resposta que eu tive nessa postagem foi bastante positiva. Muita gente curtiu, alguns comentaram incentivando, então por que não tentar, não é mesmo?

Porém, este quadro vai ser um pouquinho diferente do que você normalmente encontra. Em primeiro lugar porque eu não quero falar apenas dos animes da temporada. Não entendam mal, eles definitivamente serão o foco e o maior atrativo do quadro, mas eu quero também deixar um espaço para ir além deles. Assim, todo artigo deste quadro será dividido em quatro seções:

  1. A temporada mais recente, para os animes da temporada.
  2. A última temporada, para os animes que eu estiver alcançando só agora.
  3. Animes longos ainda em lançamento.
  4. Outros animes que eu tenha assistido naquela semana.

Para além disso, estes artigos não irão necessariamente abordar os animes episódio a episódio. O que eu quero dizer com isso? Bom, eu normalmente acompanho de quinze a vinte títulos por temporada, entre lançamentos e finalizados, e falar de tudo toda semana deixaria estes artigos excessivamente longos e trabalhosos. Mas eu também não quero escolher dois ou três para falar e ignorar todos os demais.

Sendo assim, em cada artigo eu vou pegar em torno de três a cinco animes da temporada para falar por vez, alternando títulos e deixando episódios acumularem para depois falar de 2, 3, 4 de uma vez. Isso adiciona variedade ao quadro, e também garante que, se eu estiver assistindo, então o anime irá aparecer aqui (nem que só muito de vez em quando). Exceto, já adianto, no caso dos animes discutidos no Café com Anime: vou manter estes fora desse quadro, então não deixe de conferir o Café também!

Dito isso, este artigo em específico será um pouco diferente (pois é). Como a temporada acabou de começar, para este aqui eu decidi falar de tudo o que eu vi nessa última semana. Ele fica, portanto, como uma espécie de primeiras impressões bem rápidas, e acredito que a partir do próximo eu já poderei ser *um pouquinho* mais prolixo nas minhas observações.

Espero que gostem do novo quadro, e não deixem de comentar o que vocês estão assistindo e o que estão achando. E sem mais delongas, vamos aos animes \o/.


Temporada de Outono / 2018


Sword Art Online: Alicization, episódio 1

A mais nova temporada de Sword Art Online começa muito bem, sendo bastante fiel à light novel original. Agora, como leitor do material original eu quero dizer que, apesar do hype que se criou em cima do arco que esse anime irá adaptar, para quem já não curte SAO não vai ser essa a série que irá mudar sua opinião. Para os fãs, porém, o anime promete tudo o que poderiamos pedir de uma continuação da história de Kirito e companhia.

JoJo no Kimyou na Bouken: Ougon no Kaze, episódio 1

A quarta série de JoJo vem para adaptar a quinta parte do mangá original. Esse primeiro episódio, porém, ainda não completamente mostrou a que o anime veio. Somos introduzidos ao JoJo da vez, Giorno, bem como ao poder do seu stand, mas não muito da história foi contado ainda (imagino que isso ficará para o episódio 2). Ainda assim, é JoJo! Entregando poderes criativos e lutas elaboradas eu já vou me dar por satisfeito. E por esse primeiro episódio, parece que é exatamente o que teremos pela frente.

Tensei Shitara Slime Datta Ken, episódios 1

Possivelmente a minha maior surpresa nessa temporada. Eu honestamente tinha expectativas negativas para esse anime sobre um assalariado que morre e reencarna em um mundo de fantasia como um slime. Mas vou dizer que o título tem bastante potencial! Um protagonista carismático, um cenário interessante (por genérico que alguns possam achar), um bom timing cômico, e se a opening for um indicativo do que está por vir podemos ainda esperar ótimas sequências de ação. Ah sim, e tem um dragão tsundere! Preciso dizer mais?

Seishun Buta Yarou wa Bunny Girl Senpai wo Minai, episódio 1

E falando em títulos que eu esperava ser ruins… Digo, o que mais esperar de um anime cuja história começa com o protagonista vendo sua senpai caminhando pela biblioteca em uma roupa de coelhinha da playboy?! No entanto, a boa química dos dois protagonistas, aliada à sensação de que esta história parece de fato de algo a dizer, me deixaram animado pelo que vem pela frente. Quem sabe não temos aqui um raríssimo caso de uma adaptação de light novel genuinamente boa?

Yagate Kimi ni Naru, episódio 1

De longe o primeiro episódio mais bem dirigido da temporada (bom, pelo menos dentre os que eu vi). A noção de que a protagonista tem um ideal tão – com o perdão do pleonasmo – idealizado do que seria o amor, e por isso não realmente o entende, também fornece uma profundidade temática bem interessante para o título. E considerando que já tivemos a senpai se confessando logo no primeiro episódio, a possibilidade de termos aqui um genuíno romance entre essas duas me anima bastante.

SSSS.Gridman, episódio 1

Animes mecha não costumam me atrair. Nada propriamente contra o gênero, só não me chama a atenção. Mas, como a mais nova produção do estúdio Trigger, eu decidi dar pelo menos uma olhada em SSSS.Gridman. E devo dizer: que surpresa! Altamente divertido, com um ótimo elenco de personagens e uma série de mistérios no ar. Isso sem contar a excelente animação, ainda que com os mecha e o kaiju do episódio sendo feitos em CG. Um começo certamente muito melhor e muito mais promissor do que o último trabalho no qual o estúdio esteve envolvido (olhando pra você, Darling in the FranXX).

Sora to Umi no Aida, episódio 1

Meu senhor, isso foi hilário de tão ruim. A história conta que há dez anos todos os peixes da Terra começaram a desaparecer, e que a solução encontrada foi criar aquários no espaço. Imensos aquários habitados por peixes igualmente imensos, que precisam ser “pescados” com mechas auxiliados por deuses que o piloto invoca por um app no celular. E à premissa sem sentido unem-se uma direção horrível, um ritmo que fez o episódio parecer correr no 220, e um elenco de garotinhas token. Ah é, e temos machistas altamente caricatos, por algum motivo. Acho que nem toda adaptação de joguinho mobile pode ser boa, né?

RErideD: Tokigoe no Derrida, episódios 1 e 2

No momento em que escrevo este artigo, já saíram cinco episódios de Tokigoe no Derrida. Eu só consegui assistir dois. Se Sora to Umi é ao menos engraçado de tão ruim, Derrida é apenas… meh. Premissa batida, vilão batido, estética batida… A isso você adiciona a pior direção que vi na temporada até aqui e temos um anime que é tão somente um enorme tédio.

Irozuku Sekai no Ashita Kara, episódio 1

Sobre uma menina que só vê em preto e branco enviada para o passado por uma magia da avó. Uma estréia… ok. Mas também não muito mais do que isso. P.A. Works segue provando que sabe fazer planos de fundo, mas o ritmo em si do episódio soou bastante apressado, e não realmente sabemos que direção essa história pode tomar. Considerando que o último anime do estúdio que me deu essa impressão de uma falta de direção foi Charlotte, eu vou manter as expectativas bem baixas – e recomendo que o leitor faça o mesmo.

Release the Spyce, episódio 1

Bom… não é nenhum Princess Principal. Ainda assim, esse episódio inicial foi bem divertido! É um completo absurdo e o anime sabe muito bem disso. Digo, a protagonista consegue ler o estado físico e emocional de uma pessoa só de lambê-la! É um título obviamente mais descompromissado, sobre garotas “espiãs” que não estariam fora de lugar em algum super sentai, mas que entrega um elenco divertido e carismático. Assista se você quiser sua dose semanal de garotas fofinhas sendo badass.

Zombieland Saga, episódio 1

I don’t even… Sinceramente, é até difícil falar sobre esse primeiro episódio sem dar spoilers, isso porque o anime consegue a façanha de se virar de cabeça para baixo múltiplas vezes ao longo desses pouco mais de 20 minutos. Eu vou, porém, dizer que é difícil não se deixar levar pela pura insanidade dessa história. Minha recomendação: vão lá assistir. Não garanto que irão gostar, mas garanto que irão se perguntar o que diabos acabaram de ver.

Tonari no Kyuuketsuki-san, episódio 1

Slice of life com garotas fofinhas, só que uma delas é uma vampira que mora num casarão, passa as noites vendo anime, e compra sangue pela internet. Sinceramente: eu me diverti muito com esse primeiro episódio. Uma comédia de absurdos que me conquistou quase que de imediato. Dito isso, se você já não gosta de animes desse tipo não vai ser esta a série que o fará mudar de ideia.

Anima Yell!, episódio 1

Slice of life com garotas fofinhas, mas a protagonista é uma boa samaritana obcecada em se tornar líder de torcida. Sinceramente, minhas impressões desse anime são praticamente as mesmas que dei para Kyuuketsuki-san: imensamente divertido, mas para o nicho que já aprecia esse tipo de história. Me fez rir o bastante para eu querer continuar assistindo, mas não é um anime que eu recomendaria pra qualquer pessoa.

Himote House, episódio 1

Francamente, tirando o CG horrível (ao ponto de parecer intencional, sinceramente), eu não realmente tenho muito o que falar disso aqui. Cinco jovens adultas morando juntas, cada uma com um super poder. A comédia pra mim foi muito hit or miss, mas ao menos a cena pós-créditos mostrou uma interação bem gostosa entre as cinco. Devo ao menos ver mais um episódio, mas pelo menos até aqui eu não realmente recomendo o título.

Kaze ga Tsuyoku Fuiteiru, episódio 1

Resolvi deixar este título para o final, para encerrarmos numa nota mais positiva. Anime sobre corrida do estúdio Production I.G., esse é um título que tem tudo para ser um dos melhores no ano. Se ele irá corresponder ao seu potencial só o tempo dirá, mas pelo menos esse primeiro episódio foi muito bom, introduzindo bem os personagens e a direção que o anime pretende tomar, além de alguns mistérios em relação aos protagonistas. Mesmo não tendo particular interesse em animes de esporte, é um título que conseguiu me conquistar.


Temporada de Verão / 2018


Overlord III – Final

Não se preocupem, eu não vou dar spoilers aqui. Vamos lá: Overlord é um desses títulos que, apesar de eu me divertir bastante durante o episódio, não realmente me empolga a clicar no próximo, dai eu só ter finalizado o anime nessa última semana. De maneira geral, foi uma boa temporada, até melhor do que a anterior, entregando com maestria tudo o que já viemos a esperar do título. Infelizmente, seu maior defeito, e o motivo da minha preguiça para com o anime, é também o mesmo que assola adaptações de light novel de maneira geral: um final em aberto que serve de lembrete que tudo isso é apenas uma enorme propaganda para o material original. Vou ser otimista e acreditar que uma continuação é só uma questão de tempo, mas honestamente, sempre fica um gosto meio amargo na boca quando um anime termina sem realmente terminar nada.


Animes Longos


GeGeGe no Kitaro, episódios 1 a 26

De longe uma das minhas maiores surpresas nesse ano. A história do yokai Kitaro, que dedica seu tempo a proteger os humanos de outros yokai, é um verdadeiro fenômeno cultural no Japão, já tendo recebido diversas encarnações ao longo das décadas. Em sua versão mais recente, temos aqui um título que entrega um elenco de personagens carismático, fenomenal animação e trilha sonora, e uma constante de mensagens provocativas que o tornam um dos poucos animes, recentes ou não, a abordar uma série de tópicos altamente sensíveis. Eu sempre insisto que ser para crianças não é desculpa para ser ruim, e GeGeGe no Kitaro é exatamente o que eu tenho em mente quando falo algo do tipo. Uma obra sensacional, capaz de agradar a adultos e crianças. E o vilão é creepy pra caramba!


Outros Títulos


Non Non Biyori, episódios 1 a 8

Eu tento sempre ter pelo menos um iyashikei dentre os títulos que estou assistindo, porque ter um anime para o qual eu possa ir quando preciso relaxar é sempre bastante útil. Non Non Biyori sendo um dos mais populares títulos do gênero, eu fui para ele com alguma expectativa. E embora deva dizer que ele não se tornou nenhum imediato favorito, ainda é um anime bastante relaxante, com um elenco de personagens carismáticas e um cenário absolutamente espetacular, fora, claro, uma ótima trilha sonora.

Fushigi no Umi no Nadia, episódios 1 a 18

Anime de 1990, Fushigi no Umi no Nadia foi o primeiro anime para a televisão do estúdio GAINAX, e um dos primeiros trabalhos de direção de Hideaki Anno. Eu fui para ele procurando algo mais “story driven“, e até aqui posso dizer que não me desapontei. A história de Jean e Nadia, que viajam pelo mundo no submarino Nautilus, metidos em uma guerra contra a misteriosa organização Neo Atlantis, é um anime que realmente te faz querer assistir o próximo episódio o quanto antes. Não chegou a me prender de imediato, precisou de uns dois episódios pra isso, mas agora eu realmente quero saber como essa história vai terminar!

Ginga Tetsudou 999, episódios 1 a 15

Anime de 1978, adaptando ao mangá homônimo de Leiji Matsumoto, o que me atraiu para o título foi a premissa dos protagonistas cruzando o universo na locomotiva espacial Ginga Tetsudou 999. Afinal, eu adoro um bom anime de viagem! Mas enquanto eu aprecio e muito a atmosfera do anime, seus episódios individuais são muito hit of miss, e mesmo mais miss do que hit, para ser bastante sincero. Ainda assim, há algumas temáticas legais, alguns mistérios que eu realmente quero ver solucionados, e para todos os efeitos ao menos a trilha sonora é legal (todas as… o que, três músicas? Por ai).

5 comentários sobre “Comentários Semanais – SAO 3; JoJo Parte 5; Tensei Shitara Slime; e muito mais.

  1. O que mais me surpreendeu foi Seishu.Achava que ele seria um anime echi com um protagonista idiota, e uma protagonista sem a cabeça no lugar,mas ela foi uma personagem firme,paciente.Mas não foi bem assim,ela se mostroi uma personagem firme e paciente.Gostei bastante,só não irei colocar expectativas sobre ele.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Não poderia concordar mais sobre Sora to Umi no Aida, o prio que eu botei expectativa nele puramente pela sinopse esquisita, ele poderia ter sido um anime muito bom caso tivesse seriedade ao tratar do tema. E não me refiro ao desaparecimento dos peixes e as consequências disso, mas ao trabalho de ir ao espaço e capturar peixes.Seria pedir de mais, mas tava esperando algo mais no estilo de Sora yori mo Tooi Basho ou até mesmo Uchuu Kyoudai.

    Um anime que achei melhor dirigido que Yagate Kimi ni Naru foi Goblin Slayer, mas não recomendo a ninguém que sensível à violência e a estupro. Porque o genial dessa direção foi a capacidade de manter o tom violento e desesperador, utilizando uma censura inteligente em relação ao gore e ao estupro.

    Recomendo muito que assista Karakuri Circus, que vai ser lançado amanhã (11/10). O mangá é do mesmo autor e o anime vai ser do mesmo diretor de Ushio to Tora. O diretor também foi responsável por Trigun e Hajime no Ippo.

    Outro anime que gostaria de sugerir é Kishuku Gakkou no Juliet, mas apenas pra quem gosta de comédia romântica shounen sem ecchi, estilo Nisekoi. Esse é de longe meu favorito do gênero e o anime tá se mostrando uma excelente adaptação, o primeiro episódio manteve um bom ritmo e foi fiel.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s