Café com Anime – Shoujo Kageki Revue Starlight, episódio 9


Nossa conversa semanal sobre animes da temporada.


E aqui começa mais um Café com Anime, agora para comentarmos o nono episódio de Shoujo Kageki Revue Starlight. E como de costume, a mim aqui se juntam o Vinicius Marino, do Finisgeekis, o Fábio “Mexicano”, do Anime21, e o Gato de Ulthar, do Dissidência Pop, para discutirmos nossas impressões e opiniões sobre o título.

Fica aqui a dica para irem também conferir os demais blogs participantes, pois cada um servirá de host à discussão de um anime. No Finisgeekis, vocês conferem nossas conversas sobre Happy Sugar Life; no Anime21 aquelas de Banana Fish, e no Dissidência Pop teremos aquelas referentes à Hanebado. E dados os avisos de sempre, vamos então à conversa. Peguem uma xícara do seu líquido favorito, sentem-se confortavelmente, e vamos em frente.


Diego:

E agora sim tivemos a conclusão desse arco da Banana! E vou dizer que foi uma boa conclusão. Foi legal como de uma forma ou de outra todas as garotas enfatizavam como gostariam de seguir em frente, enquanto apenas a Banana ainda estava presa ao passado. Mais interessante é que quem de fato a conforta nem é a Karen, mas sim a Junna. De um jeito até que bem interessante: com diversas citações famosas sobre a importância de seguir adiante. Foi um momento fofo, vai :D

Minha única real crítica é que o Revue do episódio foi meio curto demais. Especialmente depois da apresentação do episódio anterior eu realmente esperava algo mais… “flashy”. Ainda assim, teve alguns momentos bem legais. Eu gostei especialmente da cena em que a Karen aparece no topo da torre-ícone da peça, projetada no chão, apenas para dar alguns passos para o lado. É bem um indicativo de como ela deseja sair daquele status quo – que inclusive desaparece no momento em que ela sai. Interessante.

E não sei ainda o que pensar da Karen vencendo a Banana. Sabíamos que isso ia acontecer, mas considerando como a Banana limpou o chão com a Maya trocentas vezes seguidas, perder para a Karen soa… esquisito. Não totalmente, mas podemos falar mais disso depois.

Por agora, o que acharam do episódio?


Fábio “Mexicano”:

A Banana sofre um sério problema de apego a uma fase específica da vida, que considera a sua “fase de ouro”. No caso, a primeira apresentação do Starlight. Isso é compreensível. Muito comum até, talvez todos nós aqui já tenhamos passado por algo similar. A diferença é que a gente aprendeu um pouco mais sobre a Banana e descobriu porque aquilo foi tão importante para ela: ao contrário de Karen e Hikari, ao contrário de Futaba e Kaoruko, ao contrário de Mahiru, ela nunca havia tido algo assim antes em sua vida. Nesse sentido, ela era mesmo muito mais parecida com a Junna, que tem sentimento semelhante – mas a Junna quer mudar, quer ser alguém, não quer apenas ser feliz e cheia de amigas, por isso ela não está satisfeita com o que já fez ainda.


Gato de Ulthar:

Bom episódio, a Banana caiu do cacho né? Creio que ela não será mais um problema para ninguém, principalmente depois de receber tantas frases motivacionais da Juuna. Eu ainda sinto que eu esperava algo mais da Banana. Foi como o Diego disse, ela era a melhor lutadora de todas, além disso ela repetiu o ano diversas vezes, isso só conta positivamente para ter melhorada cada vez mais suas habilidades. Daí vem a Karen e tira um poder do nada e saiu derrotando todo mundo, até a Banana. Vão me dizer que é o poder da amizade, o poder oriundo dela querer fazer o seu Starlight junto com a Hikari, convenhamos, isso não é nem um pouco convincente. Podem ainda argumentar que a Karen treinou bastante e melhorou um bocado, mas mesmo assim sua melhora em combate é algo tirado totalmente da conveniência do enredo, pois ela tinha que ganhar de todo mundo mesmo. Mas tenho que me lembrar de ter em mente que as audições desse anime não fazem nenhum sentido.


Fábio “Mexicano”:

Tendo a acreditar que ela não melhorou nada em todos esses laços temporais: lembre-se de como ela queria, antes de qualquer coisa, repetir tudo. Ela deve no máximo ter ficado muito boa no que já era boa desde o começo.

De todo modo, elas são atrizes, não lutadoras :stuck_out_tongue:


Vinicius Marino:

Eu acredito que as lutas digam muito mais respeito ao psicológico, garra e força de vontade das garotas que suas habilidades (artísticas ou marciais). O revue é uma fantasia, um sonho pessoal dessas meninas. Quanto mais elas se empenham em trazê-lo à vida, mais forte se tornam.

A Banana era forte porque ela estava muito certa do que queria. Mas isso mudou, e mesmo ela entendeu que a fantasia dela estava com os dias contados. Foi a sua incerteza que a enfraqueceu e fez com que perdesse o revue tão rápido.


Diego:

De fato, fica cada vez mais aparente que estas são lutas de vontade muito mais do que lutas de corpo a corpo. O que explica porque a Maya permanece como a “final boss” da Karen: de todas ali ela é talvez aquela que mantém mais firmemente a sua vontade de se tornar uma estrela, especialmente agora que a Banana caiu.


Fábio “Mexicano”:

A final final é a Hikari, a gente sabe disso :stuck_out_tongue:


Diego:

Será? Porque fica a pergunta: não é justamente isso o que ambas não querem? E mesmo que nenhuma roube o brilho da outra, de alguma forma, se uma vencer a outra não seria apenas uma nova confirmação do sistema da Top Star, indo contra o desejo de ambas de serem iguais no topo? Será que veremos um empate no final?


Fábio “Mexicano”:

Eu continuo achando que elas não querem revolucionar nada :smile: Só querem fazer algumas coisas do jeito delas, de forma que elas se divirtam e sejam felizes, sem a pressão de se adequar a uma forma específica de quem veio antes delas.


Diego:

O que elas querem é ser estrelas juntas. Ou no mínimo é o que a Karen quer – e a Hikari parece ter concordado.


Fábio “Mexicano”:

O que é perfeitamente possível no Teatro Takarazuka. De fato, é o modelo padrão. As garotas que interpretam personagens masculinos podem até ser eventualmente mais famosas, mas elas não “funcionam” sem seus pares femininos.


Gato de Ulthar:

A questão é, se tanto a Karen ou a Hikari, ou ainda ambas, ganharem, qual será o desejo que será feito à Girafa?

Uma nova disputa onde não haja ganhadoras nem perdedoras? Ou algo mais pessoal?


Fábio “Mexicano”:

Elas precisam evitar a tragédia do Starlight, a peça.

É preciso entender aquilo, e entender como se relaciona com a busca das garotas.

Na peça, podemos dizer que o desejo de recuperar a memória de uma delas foi a pista falsa que levou ao terrível final. O que elas queriam, suas memórias do passado, ou um futuro juntas? A resposta é óbvia. Mas talvez elas tenham entendido errado qual era a pergunta em primeiro lugar.


Vinicius Marino:

O Fábio está falando algo em que eu venho martelando aqui faz tempo: Não é porque existe uma “top star” que as outras não valem nada. Pelo contrário, uma peça Takarazuka só com uma top star não seduziria ninguém. É plenamente possível que todas virem “estrelas” juntas. A diferença é que algumas serão o sol, enquanto que outra será aquela estrela gigantesca cujo nome nunca me lembro, que tem a massa um milhão de vezes maior que o sol :stuck_out_tongue_closed_eyes:


Diego:

Alguém precisa avisar isso é pra Karen :stuck_out_tongue: Mas se for mesmo essa a conclusão do anime, será uma bem interessante. Embora ele sinceramente não pareça estar indo para este caminho, ao menos não para mim.

Mas tomando de empréstimo o que o Fábio falou, que pensar agora da peça Starlight? Finalmente tivemos a sua trama por completo, após muitos trechos isolados, e é bastante evidente como a peça reflete o que vem acontecendo no anime. Algo a comentar aqui?


Fábio “Mexicano”:

O Starlight original é uma tragédia. A história de Claire e Flora reflete a história de Karen e Hikari. A história delas é a história do anime, e não creio que o anime vá terminar em tragédia. Karen é especialista em perverter as coisas, em mudá-las, então ela vai de alguma forma mudar isso também.


Vinicius Marino:

Eu realmente achei que não compararia mais Starlight Revue com Princess Tutu, mas aqui acho que um último paralelo será cabível: naquela anime também as personagens estavam em conflito por seguir uma história predeterminada que acabava em tragédia. O final foi um tanto bittersweet (não darei spoilers, fiquem tranquilos, leitores), mas ele de fato enfatiza o potencial da protagonista de mudar os cursos do destino – sem sair do roteiro, o que é impressionante.

Imagino algo parecido em Starlight. Um respeito à história das deusas, que no entanto assume outro significado.


Gato de Ulthar:

Pois é, nem sempre quem perde é derrotado né? O Starlight é uma tragédia por elas quererem analisar seus eventos como trágicos, mas é uma peça de superação, e mudando um ponto de vista aqui e outro acolá, não duvido que vire uma bela história de amizade e superação.


Fábio “Mexicano”:

Bom, uma das protagonistas de Starlight superou a necessidade de respirar, se é que você me entende…


Diego:

Eu fiquei alguns minutos tentando entender do que raios o Fábio estava falando… ai me toquei que ele se referia à peça Starlight, não ao anime Stalright :smile:

Mas de fato, não vejo esse anime tendo um final trágico, ou mesmo se quer agridoce. Imagino que de alguma forma irão mudar o roteiro, só resta saber como.

Interessantemente, lembram-se de como no primeiro episódio alguém comenta que haveriam mudanças no roteiro, e que agora os vilões seriam do bem, ou alguma coisa do tipo? Será que há algo ai?


Fábio “Mexicano”:

Bem lembrado. Mas quem são os vilões de Starlight afinal? O livro da Hikari não contou isso!

Ou talvez seja outro tipo de presságio. O que a peça Starlight tem de mais perto de vilões, até onde vimos, são as deusas, que tentam barrar o caminho de Claire e Flora. Dizer que querem colocar vilões como protagonistas pode simplesmente querer dizer trocar as atrizes protagonistas.


Gato de Ulthar:

Eu vou com o Fábio, no sentido de que querem trocar as protagonistas, pois acho que seria o mais conveniente pelo tudo que foi mostrado, que a Karen e a Hikari sejam as protagonistas.


Vinicius Marino:

Essa ideia de troca de protagonistas é interessente e abre espaço para algumas possibilidades interessantes. Por exemplo: a ideia, bem típica do teatro, de que não é a atriz que veste a personagem, mas a personagem que veste a atriz. “Protagonistas”, assim variariam ao sabor das circunstâncias, encarnando nas garotas cujas ações e personalidade batesse com esse papel.

Agora que comecei a pensar nisso, consigo ver um monte de caminhos por onde explorar isso. Ex: o juízo que de, mesmo nas nossas vidas, não somos “protagonistas” em todos os momentos. Há fases em que deferimos aos outros, que nos sujeitamos a uma autoridade, que damos caminho a pessoas mais jovens, mais capazes, etc. É uma mensagem bem mais adulta que “sejamos todas top star!”.


Diego:

Mais adulta talvez, mas também me soa mais improvável de ser de fato a mensagem do anime – ou talvez eu esteja sendo pessimista demais :stuck_out_tongue:

Se bem que podemos discutir um pouco mais essa minha descrença. Num geral, o que vocês tem achado da mensagem que Starlight vem passando, se é que vem passando alguma em específico? Esse mini arco da Banana foi pra mil talvez o ponto alto do anime nesse quesito, com uma boa mensagem sobre nostalgia e sobre se prender demais ao passado. Mas o anime como um todo… francamente, eu não tenho certeza se entendo o que exatamente ele quer passar.


Vinicius Marino:

Eu acho que ele não quer passar nada em geral :stuck_out_tongue_closed_eyes: O que, aliás, é um forte na minha opinião. Eu tinha um pouco de medo que a série fosse ficar muito programática.


Gato de Ulthar:

As vezes eu até me pergunto o que o anime quer dizer no fim das contas, e não estou achando resposta, creio que seja apenas um sucessão de vários elementos de coming of age.


Fábio “Mexicano”:

Todas as garotas coalesceram em pares (menos a Mahiru, por impossibilidade matemática, coitada), acho a essa altura razoavelmente provável um final em que todas, Claire, Flora e as deusas, busquem as estrelas.


Diego:

É meio triste que logo um sucesso espiritual da direção do Ikuhara não pareça ter muito de relevante a dizer fora o que já foi tido em trocentas outras séries. Bom, ao menos o espetáculo ta sendo bem feito…

E falando em espetáculo… Eu disse no começo que me desapontei um pouco com o Revue, sendo curto demais. Claro, isso teve uma importância narrativa, dando espaço para a Junna ajudar a colega de quarto a sair da fossa, bem como pode ser uma tentativa por parte do estúdio de economizar um pouquinho para os revues que ainda virão. Ainda assim, seria legal se ele fosse um pouco maior…

Dito isso, eu vou dizer que a dubladora da Banana foi excelente durante o revue. A abertura da música é de arrepiar, e passa muito bem a imponência da Banana (e eu nunca pensei que falaria uma frase dessas a sério…) quanto a sua frustração com o que está acontecendo com a sua peça. Enquanto não foi a peça visual mais impressionante até aqui, o pouco que tivemos da música já coloca essa como uma das minhas favoritas do anime.


Fábio “Mexicano”:

A voz dela é muito legal. É uma pena que ela não saiba chorar, fiquei constrangido na hora que escutei aquela atuação :smile:

Mas bem, todas elas estão fazendo um trabalho muito bom até, quando se leva em conta que a única que tem experiência dublando é a Hikari. As demais não têm experiência nenhuma ou têm muita pouca experiência.


Gato de Ulthar:

Em quesito dublagem, não tenho do que reclamar mesmo, e claro, a voz da Banana é muito boa. E um fato aleatório, se saírem figures desse anime, eu gostaria de uma da banana.


Fábio “Mexicano”:

Já saiu!


Gato de Ulthar:

Não era bem isso que eu estava querendo.

Algo como isso já seria melhor:

Mas não rejeitaria uma da Banana-chan do anime.


Vinicius Marino:

Eu compraria fácil uma figure dela. Não só pela personagem, mas porque acho o figurino dela o mais bonito de todos. Esses tons claros da roupa lembram os uniformes austríacos da era napoleônica!


Diego:

Não duvido que saiam figures das personagens muito em breve :stuck_out_tongue: Mas bom, vamos ficando por aqui esta semana. Até a próxima o/

E você, leitor, que achou deste episódio de Shoujo Kageki Revue Starlight? Sinta-se a vontade para descer um pouco mais a página e deixar um comentário com a sua opinião.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s