Lista – 5 Filmes em Anime que Valem a Pena Assistir

Para quem por ventura ainda não saiba, na minha página no facebook eu tenho feito breves resenhas de filmes em anime, com uma nova saindo todo domingo (bom… quase todo domingo…). Entretanto, para isso eu tendo a assistir literalmente qualquer coisa: recomendações de conhecidos, obras mais famosas, hypes do momento, ou qualquer coisa com um poster legal no My Anime List. E, como resultado, eu algumas vezes acabo vendo uma obra… menos que impressionante, digamos assim. Por conta disso, já há algum tempo eu venho pensando em um tipo um pouco mais regular de lista, um no qual eu pegaria alguns dos melhores filmes que eu vou assistindo para recomendar para vocês. Obviamente, nisso entram também filmes que eu veja por fora desse quadro semanal da página, mas acho que já deu para pegar o espírito da coisa.

Agora, normalmente aqui no blog eu procuro falar de obras menos comentadas. Não necessariamente desconhecidas, mas apenas obras que você não vê as pessoas comentando com tanta frequência. E eu devo fazer isso aqui também… mas em entradas futuras. Essa primeira lista eu quero deixar para alguns filmes até que bem famosos, obras que, após assisti-las, me fizeram pensar que sua fama foi deveras merecida. Eu ainda reservei uma entrada para uma obra não tão conhecida, mas se você é um otaku hardcore com centenas de animes assistidos, provavelmente aqui não vai ter nada de novo para você. Mas se você viu poucos filmes em anime e quer algumas boas portas de entrada para este lado da mídia, aqui estão 5 que definitivamente valem o seu tempo.

Ah, e só uma última coisa: nada de estúdio Ghibli. Eventualmente eu devo fazer uma lista do tipo só com obras deles, mas por agora deixemo-os de lado um pouquinho. E dados os avisos, vamos à lista /o/

5) Ghost in The Shell (1995)

Ghost in The Shell

Lançado em 1995, Ghost in The Shell é um filme que adapta ao mangá homônimo, escrito e ilustrado por Masamune Shirow. Uma animação do estúdio Production I.G., a obra teve seu roteiro escrito por Kazunori Ito, com a direção ficando a cargo de Mamoru Oshii.

Em termos de relevância histórica, o filme foi certamente um marco. Não raras vezes ele é colocado lado a lado com Akira, como filmes que ajudaram a popularizar os animes no ocidente e que mostraram que era possível fazer uma boa obra em animação para o público adulto. E devo dizer: mais de vinte anos depois, esse é um filme que definitivamente não perdeu o seu brilho.

Sua história se passa no futuro próximo, quando a linha que separa homem e máquina vai se borrando cada vez mais. Nossa protagonista é Kusanagi Mokoto, mais conhecida como Major, integrante da Seção 9 de Segurança Pública e uma ciborgue completa, tendo restado de seu corpo humano apenas o cérebro.

Ghost In The Shell

A trama em si aborda a Seção 9 investigando o caso de um hacker altamente habilidoso conhecido como “mestre dos fantoches”, dada a sua capacidade de hackear o próprio cérebro das pessoas. Mas tematicamente a história é muito mais sobre o que nos define enquanto humanos, e no que a integração com a tecnologia pode afetar a essa definição.

É uma história bem mais densa do que sua sinopse poderia indicar, o que serve tanto ao seu favor como contra ele. Por um lado, isso o torna uma obra ideal para aqueles interessado em temas mais complexos, mas por outro aqueles que procuram apenas um pouco de ação para matar algumas horas talvez saiam desse filme achando-o apenas tedioso.

Há quem o considere apenas pretensioso, e embora eu discorde dessa posição eu consigo entender de onde ela vem. Ainda assim, é um filme que eu acho que vale a pena indicar. Nem todos irão gostar, mas qual a obra que consegue agradar a gregos e troianos, não é?

4) Summer Wars (2009)

Summer Wars

Chegando aos cinemas em 2009, Summer Wars é uma produção original do estúdio Madhouse, com roteiro e direção de Mamoru Hosoda. Aqui no blog eu já fiz uma review sobre a adaptação em mangá que a obra ganhou, mas vale a pena dedicar uma entrada aqui para o filme em si mesmo.

Na trama, o protagonista Kenji é convidado pela sua colega de escola, Natsuki, para viajar ao interior com ela. Com uma quedinha pela menina, o garoto prontamente aceita, mas quando chegam lá ele descobre a real intenção da garota: que ele aja como seu namorado para o aniversário de 90 anos de sua avó.

Enquanto isso, no mundo virtual de Oz um vírus começa a se espalhar. E com aquele mundo sendo praticamente o equivalente em universo da nossa internet, o caos se instaura. Agora, caberá a Kenji, com a ajuda da extensa família da Natsuki, encontrar um meio de parar esse vírus.

Summer Wars

Muitos comparam esse filme com outro do mesmo diretor: Digimon Adventure: Bokura no War Game!, e não é por acaso. As similaridades são bem evidentes no que diz respeito à trama, mas tematicamente são obras bem diferentes. Até pelo fato de Summer Wars ser a sua própria história, enquanto que Bokura no War Game! precisa se ligar a todo o cânone de Digimon Adventure.

Essencialmente, este é um filme sobre a importância da família e da união. Tanto que, embora os personagens não cheguem a ser nenhum poço de complexidade (com algumas exceções), assistir as interações desse grande elenco é talvez uma das facetas mais divertidas – e, digamos, heartwarming – do filme.

É o tipo de obra que vale para toda a família, o que em si mesmo já combina com seu próprio tema. Pessoalmente, é o meu filme predileto desse diretor (sim, mesmo a frente de Ookami Kodomo Ame to Yuuki), e um que eu definitivamente recomendo para qualquer um que queira um bom entretenimento.

3) Kimi no Na Wa (2016)

Kimi no Na Wa

Animação original do estúdio CoMix Wave Films, com roteiro e direção de Makoto Shinkai, o filme Kimi no Na Wa foi laçado na segunda metade de 2016, e rapidamente se mostrou um imenso sucesso. E não apenas de bilheteria: num geral, a recepção ao filme foi altamente positiva, dentro e fora do meio otaku.

A história começa com uma troca de corpos. Taki, um garoto de Tokyo, e Mitsuha, uma garota do campo, acordam um dia com os corpos trocados. No dia seguinte, porém, ambos voltam ao normal, e acreditam que tudo não passou de um sonho. Mas conforme o evento se repete, ambos logo notam o que realmente está havendo.

Durante sua primeira metade, o filme se foca em como ambos os estudantes lidam com as constantes trocas e destrocas de corpos, fazendo o possível para se comunicar de forma a dizer o que um deve ou não fazer enquanto estiver no corpo do outro. Mas acreditem, há muito mais aqui do que apenas isto.

Kimi no Na Wa

Não há como negar: este é um filme movido pela emoção. Ele é feito para emocionar o espectador, e faz isso muito bem. Diverte, empolga, pode mesmo fazer alguns derramarem uma ou duas lágrimas. Nem de longe é um filme perfeito, e uma análise cuidadosa revela uma série de problemas, mas onde ele acerta ele realmente acerta.

Pessoalmente, a filmografia do Makoto Shinkai tende a ser bem hit or miss para mim. Eu adoro os seus curtas, mas normalmente acho seus filmes tediosos ou mal explorados (normalmente devido ao pouco tempo para desenvolver ideias demais). Assim, fui para esse filme com certo receio, mas saí dele mais do que satisfeito.

Como eu disse na minha review do filme, para mim essa é uma obra que captura muito bem tudo aquilo que o Shinkai sabe fazer de melhor. Visual estonteante, trilha sonora bem utilizada, e uma trama que entretêm tanto quanto emociona.

2) Paprika (2006)

Paprika

Lançado em 2006, o filme Paprika é uma produção do estúdio Madhouse que adapta ao livro homônimo, escrito por Yasutaka Tsutsui. O roteiro ficou a cargo de Seishi Minakami e Satoshi Kon, com este último ficando também encarregado da direção: o último filme que dirigiria antes de sua morte, em 2010.

Na história, um dispositivo que permite a uma pessoa entrar nos sonhos de outra foi roubado do laboratório que o desenvolveu. Dados os perigosos usos que tal aparato poderia ter, o que se instaura é um filme de mistério e investigação sobre quem e porquê o teria roubado.

No quesito técnico, o filme é simplesmente fantástico. A animação é boa, e o visual, sobretudo nas cenas dos sonhos, é bastante criativo e detalhado. A trilha sonora é outro elemento que merece destaque: não apenas as musicas são boas de ouvir, mas também o seu uso no filme em muito acrescenta nas cenas em que tocam.

Paprika

Sinceramente, eu não exatamente gosto do estilo desse diretor. Satoshi Kon tinha uma forma bem peculiar de contar suas histórias, e a mescla entre realidade e fantasia (seja esta uma ilusão, um delírio, uma lembrança ou, como em Paprika, um sonho) é sua marca registrada: o que nem sempre tem resultados lá muito positivos, na minha opinião.

Por vezes suas obras podem parecer demasiado confusas, desnecessariamente complicando algo que poderia ser bem mais simples. Mas enquanto Paprika mantém o tema tão caro ao diretor – mesmo sendo uma adaptação de um livro, o que não deixa de ser curioso -, ele é ao menos uma história bem clara e bem amarrada.

Não é perfeito, nem de longe. Os vilões carecem de desenvolvimento, e o final tende muito mais para a pura fantasia do que para a ficção científica (algo que o filme falha miseravelmente em ser). Mas o que o filme faz de bom é realmente muito bom, e é uma obra fácil de indicar seja você fã do diretor ou não.

1) Sarusuberi: Miss Hokusai (2015)

Sarusuberi: Miss Hokusai

E depois de 4 filmes bem famosos de 4 diretores bem destacados nessa mídia, temos nesta última entrada um filme do qual eu raramente vejo alguém falar: Sarusuberi: Miss Hokusai, uma produção do estúdio Production I.G. dirigida por Keiichi Hara, de 2015.

Na história, acompanhamos a vida e o dia-a-dia de O-Ei, filha de Katsushika Hokusai. Caso não saiba quem é ele, Hokusai (1760 – 1849) foi um importante pintor do período Edo, e um dos primeiros a empregar o termo “mangá”, no caso em sua série de pinturas “Hokusai Manga”.

O filme é baseado no mangá Sarusuberi, escrito e ilustrado por Hinako Sugiura e que foi serializado entre 1983 e 1987. Já o mangá, por sua vez, se inspira na vida de Katsushika Oi (ou Ei), filha de Hokusai e ela própria uma artista importante para a arte japonesa.

Sarusuberi: Miss Hokusai

Num geral, Sarusuberi: Miss Hokusai é um excelente filme. Seus personagens são carismáticos e orgânicos, e as interações entre eles entregam desde a comédia até o drama. A animação é boa, e a arte muitas vezes muda para fazer nem tão sutis referências às obras originais de Hokusai. E claro, não poderia deixar de mencionar a sua excelente trilha sonora.

Talvez o único maior problema do filme seja a sua estrutura. Ele não é exatamente uma narrativa linear, mas sim pequenas histórias que se passam ao longo da vida da protagonista, agrupadas baixo um mesmo título. A mim isso em nada incomoda, mas como sei que há quem prefira narrativas mais “diretas” fica aqui esse pequeno aviso.

Em todo caso, esse ainda é um filme ao qual eu recomendo ao menos dar uma chance, sobretudo se você gosta de um bom slice of life. E para aqueles que por ventura já o tenham assistido, vale apontar que eu já fiz uma review bem mais completa dele aqui no blog, então não deixe de dar uma conferida.

Redes sociais do blog:

Facebook

Twitter

Outros artigos que podem lhe interessar:

Review – Tenshi no Tamago (Anime)

Lista – 5 Animes que Vão Te Fazer Pensar

Sobre símbolo, referência e alegoria

Imagens (na ordem em que aparecem):

1 – Sarusuberi: Miss Hokusai

2 – Ghost In The Shell

3 – Ghost In The Shell

4 – Summer Wars

5 – Summer Wars

6 – Kimi no Na Wa (Trailer)

7 – Kimi no Na Wa (Trailer)

8 – Paprika

9 – Paprika

10 – Sarusuberi: Miss Hokusai

11 – Sarusuberi: Miss Hokusai

Anúncios

2 comentários sobre “Lista – 5 Filmes em Anime que Valem a Pena Assistir

  1. @Diego, as dicas foram bastante interessantes, e mais do que as dicas/recomendações, o post em si.
    Para os filmes que já têm review, um apanhado rápido e um link para uma review mais aprofundada. Para os que ainda não têm, uma recomendação com um resumo muito bom e de ágil leitura.

    O filme nº 1, o último citado na lista é o único que eu não conhecia. Antes de Sarusuberi, Keiichi Hara dirigiu outros 2 filmes, cujos quais ouvi opiniões muito positivas da própria galera do Animecote, que foi o site que me fez chegar até aqui. Analisando algumas informações, tive umas ideias e vou conversar com uma certa pessoa. Vamos ver o que sai daí para o futuro em relação a este filme. =)
    Parabéns e obrigado pelo post, foi uma ótima e instrutiva leitura.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s